Translate

domingo, 4 de fevereiro de 2018

KYRIE ELEISON! KYRIE ELEISON!! KYRIE ELEISON DO NOSSO IRMÃO MAURY BEXIGA!!!

As AA.'.RR.'.LL.'.SS.'. Progresso da Humanidade nº 3166 e Campos Elísios nº 3977, assim como o Ilustre Sublime Capítulo Rosa Cruz Visconde de Mauá nº 77, o Grande Conselho Kadosch Filosófico Antonio de Souza Netto nº 144 e a 1ª Delegacia Litúrgica do Rito Brasileiro no Rio Grande do Sul, convidam a todos os Irmãos para a pompa fúnebre do 33º dia do passamento do nosso Irmão Maury Bexiga.

A sessão em homenagem ao nosso Preclaro Irmão Maury bexiga, ocorrerá no dia 05 de fevereiro as 20 horas no Templo da Loja Atlântida, na Rua Cuiabá nº 291.

A  pompa fúnebre será realizada em sessão conjunta entre as Lojas Progresso da Humanidade e Campos Elísios, ambas praticantes do Rito Brasileiro no Grande Oriente do Brasil.


O Venerável Irmão Maury Bexiga era filiado em ambas as Lojas, além de participar assiduamente nos altos graus do Rito Brasileiro.

O Supremo Arquiteto do Universo, Kyrie Eleison do nosso Irmão Maury Bexiga!

 Kyrie eleison significa "Senhor, tende piedade", é um termo de origem grega. Kyrie eleison é também uma oração cristã, e está presente na Bíblia, no Salmo 51. O termo é bastante utilizado em missas cantadas pelos fiéis na celebração.

Kyrie eleison era uma invocação usada no início da missa em alternância com a de "Christe eleison". O termo grego Kyrios (Senhor) equivale no helenismo cristão, à divindade. Na Idade Média passou também a ser uma prece litânica. Aonde a comunidade responde com uma invocação breve e repetida.

Kyrie eleison tem origem no século IV e era uma expressão dita diversas vezes nas liturgias de várias religiões, não apenas a católica, mas também das igrejas anglicanas, ortodoxas e luteranas. A expressão teve seu início nas comunidades cristãs de Jerusalém, e também no século V, com os Romanos.

A expressão Kyrie eleison foi substituída logo após a reforma litúrgica, onde a Igreja começou utilizar a tradução de Kyrie eleison - "Senhor, tende piedade", no ato penitencial.

Imagens e texto de Eduardo Lecey